Notícia

MPF quer exoneração de gestores de caixas escolares envolvidos em irregularidades

11 de Outubro de 2017
MPF quer exoneração de gestores de caixas escolares envolvidos em irregularidades

Objetivo da recomendação é coibir que gestores condenados deem continuidade a práticas ilícitas


O Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP), por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), recomendou ao Estado do Amapá e à Secretaria de Estado da Educação (Seed) que exonerem, substituam e não nomeiem gestores de caixas escolares condenados por práticas ilícitas ou que tenham deixado de prestar contas ou, ainda, tenham tido as contas reprovadas. A condenação deve ser transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado. O objetivo do MPF é coibir irregularidades na gestão dos recursos federais do Programa Dinheiro Direto da Escola (PDDE) – recurso financeiro destinado a despesas de manutenção do prédio escolar e de suas instalações.

Levantamento realizado pela Coordenadoria Jurídica do MPF/AP apontou que somente nos anos de 2016 e 2017 foram autuadas 205 representações que noticiam supostos desvios e irregularidades na aplicação e na prestação de contas dos recursos federais do PDDE. Cinquenta e uma delas ao longo de 2016 e 154 até meados de setembro deste ano.

“Tomamos a iniciativa de atuar, nesse começo, sem recorrer à Justiça, por entender que o governo, por meio da Seed, pode adotar medidas para fiscalizar adequadamente o que vem ocorrendo nos caixas escolares. Não é possível admitir que um recurso destinado a melhorias nas escolas seja alvo da ação de pessoas que tratam recursos públicos de forma indevida”, destaca o procurador regional dos direitos do cidadão Rodolfo Lopes.

Durante reunião realizada no procedimento extrajudicial que deu origem à recomendação, foi mencionada a figura do “gestor itinerante”. Trata-se de gestores do caixas escolares do estado que mudam frequentemente de unidades gestoras após deixar de prestar contas ou ao ter as contas reprovadas. Dessa forma, continuam a atuar livremente na gestão de outros caixas escolares, praticando novas irregularidades. O MPF/AP considera necessário extinguir a figura do “gestor itinerante” a fim de eliminar essas práticas.

Ficha Limpa – Um dos dispositivos legais que embasam a recomendação é a LC 135/2010 (Lei da Ficha Limpa), que prevê casos de inelegibilidade para cargos públicos. Um deles é o ato de improbidade administrativa configurado, neste caso, pela falta de prestação ou reprovação de contas relativas ao exercício dos cargos ou funções públicas. Além disso, o órgão faz referência aos princípios da legalidade, moralidade e da probidade administrativa, previstos na Constituição Federal, para demonstrar a necessidade de os Caixas Escolares terem gestores ficha limpa.

Conforme entendimento do STF, o MPF/AP defende a “probidade como condição inarredável para a boa administração pública” e enfatiza que “a corrupção e a desonestidade são as maiores travas ao desenvolvimento do país e ao resgate da credibilidade dos agentes políticos perante a sociedade”.

O estado e a Seed têm até dez dias úteis para comunicar o acatamento ou não da recomendação. Se descumpridas as orientações, serão adotadas medidas judiciais.

Confira a íntegra da recomendação

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Amapá
(96) 3213 7895
prap-ascom@mpf.mp.br
www.mpf.mp.br/ap
www.twitter.com/mpf_ap
www.fb.com/mpfederal
www.youtube.com/tvmpf

Link da Notícia: http://www.mpf.mp.br/ap/sala-de-imprensa/noticias-ap/mpf-quer-exoneracao-de-gestores-de-caixas-escolares-
envolvidos-em-irregularidades-no-amapa

Fonte: Ministério Público Federal
Data da Notícia: 11/10/2017